Emissões de carbono

É hora de desacelerar e enfrentar as mudanças climáticas!

O mundo tem enfrentado grandes desafios provenientes da emissão exponencial de gases do efeito estufa na atmosfera, devido à atividade humana.

Condições climáticas extremas impactando a disponibilidade de água potável

extinção em massa de espécies de plantas e animais…

Como podemos abordar este desafio?

Responder às mudanças climáticas é uma tarefa de todos nós, em todos os níveis: governos, empresas, comunidades e indivíduos.

Todos nós podemos ser parte da solução. A Symrise está comprometida em contribuir com sua estratégia de baixo carbono e temos o orgulho de apresentar os fatores principais aqui.

Mas antes, vamos voltar ao início da história…

Qual é o problema com as emissões de carbono?

Primeiro, vamos entender o fenômeno do efeito estufa

O efeito estufa é um fenômeno natural que contribui para a manutenção de uma temperatura habitável na Terra.

Os principais gases responsáveis pelo efeito estufa incluem o dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O), e o vapor d’água.

Quando os raios solares chegam à Terra...

1

2/3 deles são absorvidos pelos oceanos, solo e árvores

2

1/3 é refletido para a atmosfera em forma de radiação infravermelha.

3

Diversos gases na atmosfera impedem que parte desta radiação escape para o espaço e a devolvem para a Terra.

Este fenômeno de efeito estufa aquece a Terra a uma temperatura de até de 15°C, o que permite a vida na Terra.

Sem este efeito estufa, a temperatura média na Terra seria de -18°C

O dióxido de carbono (CO2) é um dos gases que mais geram efeitos estufa.

Existe um equilíbrio fino entre o carbono usado pelas plantas na terra e microplânctons nos oceanos, e a sua liberação natural para a atmosfera pelas formas de vida.

Ao longo de muito tempo, o carbono não utilizado se acumulou em forma de carbono natural fossilizado nas camadas profundas da Terra.

Então, qual é o problema?

No último século, a atividade humana intensiva ligada à era industrial e a subsequente necessidade de energia resultou no amplo uso desses reservatórios de carbono fossilizado, conhecidos como combustíveis fósseis (petróleo, carvão, gás, ...), promovendo também a intensa agricultura e aterramento.

Isso causa um grande aumento de emissões de CO2 e metano na atmosfera, que rompe o equilíbrio.

Enquanto isso, o desmatamento e a urbanização não permitem que o solo e as árvores absorvam o excesso de CO2. E como parte do aquecimento global, os oceanos também se aquecem, dificultando a dissolução do CO2 nos mares.

Como resultado, menos CO2 é absorvido, contribuindo para um aumento do gás na atmosfera.

Com mais desses gases CO2 e também metano na atmosfera, mais radiação ela bloqueia. Como resultado, a Terra se aquece mais e mais.

Lembre-se que cada molécula de CO2 enviada hoje à atmosfera terá seu efeito de aquecimento pelos próximos 100 anos!

Hoje, em 2022, a temperatura média da Terra já aumentou em + 1,2°c

Isto perturba tudo!

Como o mundo está abordando esta questão?

É hora de AGIR

duas ações principais devem ser tomadas simultaneamente

Reduzir as emissões de gases

Adaptar aos efeitos atuais preservando as pessoas, biodiversidade e patrimônios da humanidade.

Este é o objetivo do Acordo de Paris de 2015.

Um ponto de virada na consciência dos governos

O que aconteceu lá?

Durante esta importante cúpula, 196 países se comprometeram a reduzir suas emissões de gases do efeito estufa para limitar o aquecimento global a 1,5°C até 2100 - ao invés de um aumento de 3 a 5°C ou mais, se nada for feito. E trabalhar para uma sociedade neutra em carbono.

A estratégia mundial consiste em definir contribuições justas para as reduções de gases do efeito estufa de acordo com o que cada país emite atualmente e emitiu no passado.

Ela também varia muito de acordo com o tipo de indústria e energia usadas em cada país:

Gerar eletricidade queimando carvão produz:

mais do que gás

mais do que hidroelétricas, usinas nucleares ou energia eólica.

central elétrica alimentada a gás

central elétrica a carvão

central de energia nuclear

Então, cada país se compromete com um plano de limitação de aquecimento global, com um cronograma e uma meta de redução de carbono até 2050, para alcançar um equilíbrio entre as emissões remanescentes e a capacidade de absorção de carbono (neutralidade de carbono).

5
anos

Eles se reúnem a cada 5 anos para avaliar o progresso coletivo nessa direção e intensificar as ações, se necessário.

E a responsabilidade das empresas?

Como parte da sociedade, as empresas têm uma grande responsabilidade pela participação nos compromissos governamentais de Ações Climáticas e, consequentemente, colocar em prática seus próprios planos de ação. Elas devem estabelecer metas de redução para 2050 com trajetórias de carbono correspondentemente baixas.

Na indústria de pet food, assim como em qualquer empresa, as emissões de gases do efeito estufa são classificados sob três escopos.
Escopo 1

Emissões diretas das unidades de produção (gás, petróleo…)

Escopo 2

Emissões indiretas da produção de energia adquirida (gás, petróleo…)

Escopo 3

Emissões indiretas ao longo da cadeia de valor

Você sabia?
1T de ração seca para cães gera 2T de CO2eq
Precisaríamos de uma floresta maior do que a Alemanha para capturar todas as emissões de CO2eq no mundo vindas da indústria de pet food!

Este é um esquema das emissões de gases do efeito estufa da Symrise Pet Food:

FORNECEDORES
e seus fornecedores
ABATEDOUROS & SEPARADORES, CLASSIFICADORES, GRANJAS FORNECEDORES DE INGREDIENTES

FORNECEDORES DE ENERGIA
Indireto

FÁBRICAS Symrise Pet Food
Direto

CLIENTES
e seus consumidores
FABRICANTES DE PET FOOD PET SHOPS GUARDIÕES DE PETS

As emissões de gases de efeito estufa da Symrise Pet Food representam 800.000 toneladas de CO2eq por ano

Escopo 1 Escopo 2 10 a 15%* Escopo 3 85 a 90%*
*Segundo os GEEs das 3 principais unidades da Symrise Pet Food: Elven (França), Descalvado (Brasil) e Hodges (EUA)

Qual é a nossa contribuição como empresa?

Alinhada com as metas da Symrise, a Symrise Pet Food se compromete a

Ser neutra em carbono
(emissão líquida de 0 CO2)
nos escopos 1 eescopos 2 até 2030*

(*) vs 2020

Reduzir as emissões de CO2eq em 30% no escopo 3 até 2030*

Esta meta nos tornará consoantes ao Acordo de Paris, especificamente no cenário de um aquecimento global de +1.5°C.

Para alcançar nossas metas, abordaremos os 3 escopos como um todo, com uma estratégia regional envolvendo todos os departamentos.

Este é o Programa de Baixo Carbono, que visa medir e definir metas para podermos agir!

Muitas iniciativas já foram implementadas!